(71) 99735 – 2128
contato@hebrombahia.com.br
Peneira realizada pelo Hebrom juntamente ao clube Fluminense

A segurança alimentar é uma preocupação global que transcende fronteiras e afeta diretamente a qualidade de vida de milhões de pessoas em todo o mundo. No contexto atual, marcado por rápidas mudanças climáticas, crescimento populacional e desafios socioeconômicos, garantir o acesso a alimentos nutritivos e seguros tornou-se uma tarefa complexa.  Acompanhe o texto para saber mais!

O que é segurança alimentar?

Segurança alimentar refere-se a um estado no qual todas as pessoas, em todos os momentos, têm acesso físico, social e econômico a alimentos suficientes, seguros e nutritivos que atendam às suas necessidades alimentares e preferências para uma vida ativa e saudável. Esse conceito abrange quatro dimensões principais:

  • Disponibilidade: refere-se à oferta adequada de alimentos no nível nacional e local. A produção, distribuição e acesso aos alimentos devem ser suficientes para atender às necessidades da população;
  • Acesso: envolve a capacidade das pessoas adquirirem os alimentos de que necessitam, seja por meio da compra, produção própria ou de outros meios. O acesso está relacionado à disponibilidade econômica, física e social;
  • Utilização: diz respeito à capacidade de utilizar os alimentos de maneira adequada para atender às necessidades nutricionais. Isso inclui o conhecimento sobre práticas de alimentação saudável, preparação adequada dos alimentos e cuidados com a higiene;
  • Estabilidade: refere-se à consistência ao longo do tempo das três dimensões anteriores. A segurança alimentar não é alcançada apenas garantindo um acesso adequado aos alimentos, mas também garantindo que esse acesso seja estável ao longo do tempo.

Em contrapartida, além do conceito de segurança alimentar, também existe o termo insegurança alimentar que refere-se à falta de acesso consistente e adequado aos alimentos necessários para uma vida saudável e ativa.

O que é segurança alimentar?

Dados sobre a segurança alimentar

A segurança alimentar no Brasil e no mundo ainda é um assunto delicado, isso porque muitas pessoas ainda não têm acesso à alimentação adequada. Para ter uma noção real do problema separamos alguns dados:

Brasil

Os últimos dados sobre segurança alimentar no Brasil não são animadores. Conforme o relatório “O Estado da Segurança Alimentar e Nutrição no Mundo (SOFI)”, o Brasil teve uma piora em seus indicadores de fome e insegurança alimentar.

Isso porque havíamos saído do Mapa da Fome em 2014/2015 e a partir de 2016, os índices só pioraram, levando o retorno ao mapa em 2022. De acordo com os dados, em 2022, mais de 70 milhões de pessoas estavam em situação de insegurança alimentar, que é quando possuem dificuldade para se alimentar. Além disso, o levantamento também aponta que 2 milhões de pessoas estavam em insegurança alimentar grave, caracterizado por um estado de fome.

Mundo

Conforme o relatório citado acima, no período de 2020 a 2022, aproximadamente 900 milhões de pessoas enfrentaram insegurança alimentar grave durante esse intervalo de tempo, representando 11,3% da população global afetada por essa situação crítica.

Além disso, o estudo revelou que 2,4 bilhões de pessoas experimentaram algum nível de insegurança alimentar, classificadas como moderada ou grave. Esse grupo representou significativos 29,6% da população mundial, indicando uma preocupante extensão do problema em escala global.

Abaixo estão os números de insegurança alimentar por região do mundo:

  • África: 326 milhões de pessoas;
  • América Latina e Caribe: 85,4 milhões de pessoas;
  • Ásia: 464,2 milhões de pessoas;
  • Oceania: 1,6 milhões de pessoas;
  • América do Norte e Europa: 15,6 milhões de pessoas;

Dados sobre a segurança alimentar

Desafios e soluções na distribuição de alimentos

A distribuição eficiente de alimentos enfrenta uma série de desafios que vão desde infraestrutura inadequada até condições climáticas adversas. Esses obstáculos impactam negativamente a capacidade de levar alimentos do produtor ao consumidor de maneira rápida e eficaz, contribuindo para a insegurança alimentar em muitas regiões do mundo.

Um dos principais desafios é a infraestrutura logística deficiente. Em muitas áreas, estradas precárias e falta de instalações de armazenamento adequadas resultam em perdas significativas durante o transporte. Além disso, cadeias de suprimentos complexas e extensas aumentam os custos e o tempo necessários para a entrega de alimentos, tornando o sistema menos eficiente.

A tecnologia emerge como uma solução fundamental para superar esses desafios. O uso de rastreamento por GPS, sensores de temperatura e softwares de gestão de cadeia de suprimentos permite um monitoramento preciso e otimizado do transporte e armazenamento de alimentos. Essas inovações não apenas reduzem as perdas, mas também melhoram a eficiência operacional.

Outra solução crucial é o investimento na infraestrutura de transporte. Estradas, ferrovias e portos melhorados facilitam o fluxo eficiente de alimentos, reduzindo os atrasos e os custos associados à distribuição. Parcerias público-privadas podem desempenhar um papel vital nesse contexto, possibilitando investimentos conjuntos em infraestrutura e desenvolvimento de cadeias de suprimentos mais eficientes.

A promoção da produção local também se destaca como uma estratégia eficaz. Incentivar a produção de alimentos mais próxima dos centros de consumo pode reduzir a dependência de cadeias de suprimentos longas, diminuindo os custos e o tempo de entrega.

*Texto produzido e distribuído pela Link Nacional para os assinantes da solução Conteúdo para Blog.

Nova Parceria firmada entre a HEBROM e Associação Ga Alama do Senegal – África.

Não existe fronteiras para ajudar as pessoas. Principalmente Crianças.

Você vem comigo ajudar mudar o mundo a nossa volta?